Com impulso das lavouras, o agronegócio deve crescer 6,3% em 2017

Voltar
28/11/2017

Apesar da alta nos resultados prévios do ano, o estudo do Cepea e da CNA destaca que 2017 foi marcado por fortes quedas de preços para os produtos do agronegócio, o que, por sua vez, pressiona a renda do setor. 
Na comparação de janeiro a agosto de 2017 com o mesmo período de 2016, o decréscimo nos preços médios do agronegócio é de 9,5% em relação aos da economia como um todo. Então, considerando-se as informações disponíveis até agosto/17, estima-se retração interanual de 3,8% no PIB-renda do agronegócio brasileiro.
Agronegócio segura inflação - Se por um lado o movimento de queda dos preços relativos do agronegócio expressou a perda de rentabilidade da produção do setor frente à média da economia, por outro trouxe impacto positivo sobre a economia e a sociedade. "Produzindo mais a preços menores, o setor contribuiu com o maior abastecimento, com a geração de divisas e o controle da inflação", destaca o Cepea.

Fonte: Datagro

COMENTÁRIOS

0 comentários postados

Com impulso das lavouras, o agronegócio deve crescer 6,3% em 2017

28/11/2017

Apesar da alta nos resultados prévios do ano, o estudo do Cepea e da CNA destaca que 2017 foi marcado por fortes quedas de preços para os produtos do agronegócio, o que, por sua vez, pressiona a renda do setor. 
Na comparação de janeiro a agosto de 2017 com o mesmo período de 2016, o decréscimo nos preços médios do agronegócio é de 9,5% em relação aos da economia como um todo. Então, considerando-se as informações disponíveis até agosto/17, estima-se retração interanual de 3,8% no PIB-renda do agronegócio brasileiro.
Agronegócio segura inflação - Se por um lado o movimento de queda dos preços relativos do agronegócio expressou a perda de rentabilidade da produção do setor frente à média da economia, por outro trouxe impacto positivo sobre a economia e a sociedade. "Produzindo mais a preços menores, o setor contribuiu com o maior abastecimento, com a geração de divisas e o controle da inflação", destaca o Cepea.