Acompanhamento da Safra Brasileira - Cana-de-açúcar

Voltar
12/04/2012

1 - INTRODUÇÃO
A Companhia Nacional de Abastecimento – Conab, no âmbito de um programa de
cooperação com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, realizou entre os dias 05 e 16 de março de 2012, o primeiro levantamento da safra 2012/13 de cana-de-açúcar. Nesta etapa foram visitadas todas as unidades de produção sucroalcooleira em atividade, situadas nos vários estados produtores.
De acordo com a metodologia empregada pela Conab, em cada levantamento são programadas visitas dos técnicos a todas as unidades de produção em atividade. Este contato direto com as fontes de informação, permite manter os dados atualizados de área cultivada, produtividade por unidade de área e por corte (folha) e o desempenho industrial de cada unidade de produção. Os dados são colhidos por meio de questionários modelo elaborados pela Conab, que subsidiam a consolidação das informações com elevado nível de confiança. É importante frisar que as informações contidas nos relatórios são um retrato fiel dos dados repassados pelos informantes escalados pelas próprias unidades de
produção, mantendo reserva quanto às informações individuais, publicando apenas os números globais consolidados. Nossa tarefa precípua é de analisar a consistência dos números coletados por unidade, fazer os eventuais ajustes necessários, efetuar a totalização para cada estado produtor e estimar a produção nacional.
No primeiro levantamento são pesquisados dados estimativos como: área em
produção, área expandida, área renovada, produtividade, produção, capacidade industrial, energia gerada e consumida, tipo de colheita, desenvolvimento vegetativo da cultura, intenção de esmagamento, quantidade de cana destinada à produção de açúcar e à produção de etanol, dentre outros. O segundo levantamento tem a finalidade de confirmar ou não, os dados estimados no primeiro levantamento, apurar as causas das possíveis alterações e após a consolidação das informações estabelecer e atualizar a estimativa da safra de cana-de-açúcar e dos produtos dela originados.
O terceiro levantamento busca a consolidação dos números finais da safra de
cana-de-açúcar na região Centro-Sul e os dados sobre o andamento da safra nas regiões Norte e Nordeste.
2 – SITUAÇÃO GERAL DA LAVOURA
A lavoura de cana-de-açúcar continua em expansão no Brasil. As áreas em produção continuam com progressivo aumento nos Estados de: Mato Grosso do Sul 12,5%, Goiás 7,9%, Espírito Santo 7,35%, Bahia 5,3%, Mato Grosso 5,5%, e Minas Gerais (3,5%).
Até o momento do levantamento não houve registro por parte dos informantes de nenhuma unidade que iniciará suas atividades na safra 2012/13.
As perspectivas agronômicas dos canaviais para a próxima safra são boas. As
usinas na grande maioria encerraram a moagem dois meses antes do período normal, o que dá à cana um período maior de desenvolvimento a mais que na safra passada. As previsões climáticas indicam que teremos boas precipitações pluviométricas nos próximos meses, que incidirão nas principais zonas produtoras da região Centro-Sul.
Quanto ao aspecto agronômico, a lavoura de cana-de-açúcar apresenta desenvolvimento bom com indicativo de pontos de estiagem em São Paulo na região de Ribeirão Preto e adjacências com precipitações abaixo da média nos meses de fevereiro e março de 2012, que fez a anomalia da precipitação ser maior nestes meses. A persistência do fenômeno climático está descartada para os próximos meses, segundo as previsões do CPTEC/INEMET que prevê precipitações dentro da normal para os próximos três meses em São Paulo.
Para as regiões Norte e Nordeste foi previsto para esta safra uma redução de 1,2% na área ocupada com a cana, ou seja 14.100 hectares a menos que na safra anterior, portanto, pouco significativo. O rendimento médio para a região Nordeste poderá ser afetado devido a forte estiagem que assola praticamente todos os estados produtores, ao contrário do que ocorreu na safra anterior, quando o clima foi bastante chuvoso e favoreceu o desenvolvimento da lavoura de cana. Consequentemente a estimativa da produção poderá sofrer redução.
3- SISTEMA DE PLANTIO
A cana-de-açúcar é cultivada no sistema convencional em solos bem preparados
com revolvimento de 20 a 30 centímetros de profundidade. As mudas (propágulos) devem ser provenientes de canaviais de 12 a 18 meses, livres de pragas e doenças que após recebimento de tratamento preventivo com fungicida e inseticida (prática ideal, embora não adotada pela maioria dos produtores), são colocadas em sulcos em formato de cunha ou trapezoidal, dependendo do tipo de solo, com trinta centímetros de profundidade e cobertas com 5 a 10 centímetros de terra. A densidade usada é de 12 a 18 gemas por metro linear, e a distância entre sulcos é de 1,20 metro, para facilitar a operação de colheita. O consumo de mudas por hectare é de 15 toneladas em média no plantio manual. Quando o plantio é mecanizado o consumo de cana (muda) aumenta consideravelmente, chegando a ultrapassar 20 toneladas. Se a colheita da muda for mecânica, a quantidade necessária supera as 20 toneladas por hectare. Os novos plantios estão sendo adequados à forma de colheita que será usada. Para a colheita mecânica, a adequação passa até pelo plantio em linhas duplas alternadas, com a finalidade de melhorar a eficiência da colhedora e prolongar a vida útil do canavial.
4 – INFLUÊNCIAS CLIMÁTICAS
As condições climáticas que influenciaram e influenciarão a safra 2012/13 estão
divididas em dois períodos. Em 2011 nos meses de agosto e setembro a período foi de precipitações abaixo da média em São Paulo, principal produtor com mais de 60% da área nacional cultivada com cana-de-açúcar o que prejudicou o desenvolvimento e a brotação dos canaviais . Em 2012 o mesmo fato ocorreu nos meses de fevereiro e março, repetindo os efeitos do período anterior e atingindo a mesma região antes castigada. Nos meses de outubro, novembro, dezembro e janeiro as chuvas foram satisfatórias para os canaviais. Para o próximo trimestre (abril, maio e junho) segundo a previsão do CPTEC/INEMET, as chuvas ocorrerão dentro da normalidade na região produtora de cana do estado.
Nos demais estados da região Centro-Sul, o clima foi mais severo no Paraná em
setembro e dezembro de 2011 e em fevereiro e março de 2012. Para o próximo trimestre a previsão é de clima normal para o estado. No Mato Grosso e no Triângulo Mineiro a estiagem ocorreu em setembro de 2011 e nos demais meses as precipitações ficaram próximo da normalidade. Em Goiás não há registro de deficiência hídrica para lavoura de cana-de-açúcar.
No Nordeste o clima foi favorável ao desenvolvimento da cana-de-açúcar no ano
de 2011. Já em 2012 a seca que atinge a região está castigando os canaviais,
principalmente aqueles que foram colhidos no final da safra e não têm umidade suficiente para provocar a brotação da soqueira.
Na região Norte as chuvas estão ocorrendo com freqüência, favorecendo o desenvolvimento como um todo.
5 - ÁREA
A área cultivada com cana-de-açúcar que será colhida e destinada à atividade
sucroalcooleira na safra 2012/13 está estimada em 8.567,2 mil hectares, distribuídos em todos estados produtores conforme suas características. O estado de São Paulo é o maior produtor com 51,66% (4.426,45 mil hectares), seguido por Minas Gerais com 8,97% (768,64 mil hectares), Goiás com 8,54% (732,02 mil hectares), Paraná com 7,17% (614,01 mil hectares), Mato Grosso do Sul com 6,31% (540,97 mil hectares), Alagoas com 5,35% (458,09 mil hectares) e Pernambuco com 3,48% (298,39 mil hectares). Nos demais estados produtores as áreas são menores, com representações abaixo de 3%.
6 - EXPANSÃO
A expansão da área plantada com cana-de-açúcar tem comportamento diferenciado em todo o País. O maior percentual de aumento está na região Sudeste, responsável por 96,38% do total da área nova agregada. A região Sudeste foi a que apresentou o maior aumento, acrescentando 357.183 hectares à área existente. Em São Paulo o aumento foi de 246.011 mil hectares e em Minas Gerais 106.640 hectares. Outra região que apresentou crescimento significativo na área de expansão foi a Centro-Oeste, 188.396 hectares, puxado por Goiás pelo plantio de 115.792 hectares, seguido pelo Mato Grosso do Sul, 65.347 hectares. Na região Sul o Paraná vai plantar 50.066 hectares de novas lavouras. O total da área de expansão em todo País deve ficar em 618.056
hectares. Em muitos estados os produtores tiveram dificuldades no momento do plantio por falta de umidade no solo e tiveram que utilizar a irrigação, o que aumentou o custo da lavoura.
7 - RENOVAÇÃO
A área de renovação prevista para a safra 2012/13 vai ser superior a safra 2011/12.
Os produtores não conseguiram plantar toda área prevista para a safra anterior, o que pretendem fazer nesta safra. Outra parcela se refere às unidades que estão mais capitalizadas que renovarão toda a área que está no ponto de renovação e uma terceira parcela é reflexo dos incentivos do governo através dos financiamentos para a renovação e expansão. A renovação total deve alcançar 956.375 hectares. O maior aumento acontecerá na região Sudeste 576.629 ha, região Centro-Oeste (164.039), região Nordeste 109.755 e região Sul 103.047 hectares.
8- PRODUTIVIDADE
A produtividade média brasileira está estimada em 70,289 kg/ha, 2,9% maior que na safra 2011/12, que foi de 68.289 kg/ha.
O aumento ainda é tímido porque os produtores temem que o clima prejudique
novamente os canaviais pela má distribuição das chuvas. Considerando a quantidade de área expandida e renovada na safra anterior, mais de 16% do total cultivado, em termos lógicos, a produtividade deveria seu um pouco maior, já que o índice de produtividade destas áreas é o dobro das lavouras em ponto de renovação. É possível que a produtividade aumente no decorrer da safra, se o clima ajudar. Outro fator que colabora para a produtividade menor é a ausência de cana bisada para moagem nesta safra.
9 – COMPORTAMENTO DO ATR
O Açúcar Total Recuperável (ATR) é expresso em quilogramas por tonelada de
cana e representa todos os açúcares presentes na matéria prima.
O TPH (tonelada de sacarose por hectare) é influenciado pela variedade de
cultivares, tipo de solo, clima, umidade, entre outros.
Para a indústria sucroalcooleira é importante quantificar a sacarose presente na
matéria prima, sendo este, um dos parâmetros utilizados para a definição do valor pago pela tonelada de cana-de-açúcar.
O ATR pode sofrer constantes variações durante o período de colheita,
influenciado principalmente pelo clima. Aumenta se as chuvas escasseiam e diminui em períodos de chuvas constantes.
Para a safra 2012/13 a previsão para o ATR e de que ele alcance 135,6 quilos por tonelada de cana. Isto significa que, confirmada a produção, serão obtidas 81.580.296 toneladas de ATR que estarão disponíveis para a industrialização.
10 - PRODUÇÃO
A previsão do total de cana moída na safra 2012/13 é de 602,2 milhões de
toneladas, com aumento de 5,4% em relação à safra 2011/12, que foi de 571,4 milhões de toneladas, significando que a quantidade que será moída deve ser 30,7 milhões de toneladas a mais que a moagem da safra anterior. A produção de cana da região Centro-Sul deve ser de 532,0 milhões de toneladas, 6,1% maior que a produção da safra anterior.
10.1 – PRODUÇÃO DE ACÚCAR
A previsão de esmagamento de cana para a produção de açúcar é de 299,9
milhões de toneladas, correspondendo a 49,83% da previsão de moagem de 602,2 milhões de toneladas. Na região Centro-Sul a destinação de cana para a produção de açúcar foi de 49,0%.
A produção total de açúcar está estimada em 38,85 milhões de toneladas, que
equivalem a 777,0 milhões de sacas de 50 kg.
10.2 – PRODUÇÃO DE ETANOL
Para a produção de etanol serão esmagadas 302,2 milhões de toneladas de cana
para a produção de 23,96 bilhões de litros de etanol, 4,81% maior que a produção da safra 2011/12. Deste total, 9,74 bilhões de litros serão de etanol anidro e 14,21 bilhões de litros serão de etanol hidratado. Por estes números, o etanol anidro deverá ter um aumento de 7,44% na produção e o etanol hidratado deve ter um aumento de 3,08%, quando comparados com a produção de etanol da safra anterior.
11 - RESULTADO DETALHADO
Os resultados obtidos nesse levantamento da safra 2012/13, são apresentados
em detalhes no arquivo da galeria a seguir:

Fonte: Conab

COMENTÁRIOS

0 comentários postados

Mostrando 1 à 0 (de 0 encontrados)
  1. PÁGINA:

Acompanhamento da Safra Brasileira - Cana-de-açúcar

12/04/2012

1 - INTRODUÇÃO
A Companhia Nacional de Abastecimento – Conab, no âmbito de um programa de
cooperação com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, realizou entre os dias 05 e 16 de março de 2012, o primeiro levantamento da safra 2012/13 de cana-de-açúcar. Nesta etapa foram visitadas todas as unidades de produção sucroalcooleira em atividade, situadas nos vários estados produtores.
De acordo com a metodologia empregada pela Conab, em cada levantamento são programadas visitas dos técnicos a todas as unidades de produção em atividade. Este contato direto com as fontes de informação, permite manter os dados atualizados de área cultivada, produtividade por unidade de área e por corte (folha) e o desempenho industrial de cada unidade de produção. Os dados são colhidos por meio de questionários modelo elaborados pela Conab, que subsidiam a consolidação das informações com elevado nível de confiança. É importante frisar que as informações contidas nos relatórios são um retrato fiel dos dados repassados pelos informantes escalados pelas próprias unidades de
produção, mantendo reserva quanto às informações individuais, publicando apenas os números globais consolidados. Nossa tarefa precípua é de analisar a consistência dos números coletados por unidade, fazer os eventuais ajustes necessários, efetuar a totalização para cada estado produtor e estimar a produção nacional.
No primeiro levantamento são pesquisados dados estimativos como: área em
produção, área expandida, área renovada, produtividade, produção, capacidade industrial, energia gerada e consumida, tipo de colheita, desenvolvimento vegetativo da cultura, intenção de esmagamento, quantidade de cana destinada à produção de açúcar e à produção de etanol, dentre outros. O segundo levantamento tem a finalidade de confirmar ou não, os dados estimados no primeiro levantamento, apurar as causas das possíveis alterações e após a consolidação das informações estabelecer e atualizar a estimativa da safra de cana-de-açúcar e dos produtos dela originados.
O terceiro levantamento busca a consolidação dos números finais da safra de
cana-de-açúcar na região Centro-Sul e os dados sobre o andamento da safra nas regiões Norte e Nordeste.
2 – SITUAÇÃO GERAL DA LAVOURA
A lavoura de cana-de-açúcar continua em expansão no Brasil. As áreas em produção continuam com progressivo aumento nos Estados de: Mato Grosso do Sul 12,5%, Goiás 7,9%, Espírito Santo 7,35%, Bahia 5,3%, Mato Grosso 5,5%, e Minas Gerais (3,5%).
Até o momento do levantamento não houve registro por parte dos informantes de nenhuma unidade que iniciará suas atividades na safra 2012/13.
As perspectivas agronômicas dos canaviais para a próxima safra são boas. As
usinas na grande maioria encerraram a moagem dois meses antes do período normal, o que dá à cana um período maior de desenvolvimento a mais que na safra passada. As previsões climáticas indicam que teremos boas precipitações pluviométricas nos próximos meses, que incidirão nas principais zonas produtoras da região Centro-Sul.
Quanto ao aspecto agronômico, a lavoura de cana-de-açúcar apresenta desenvolvimento bom com indicativo de pontos de estiagem em São Paulo na região de Ribeirão Preto e adjacências com precipitações abaixo da média nos meses de fevereiro e março de 2012, que fez a anomalia da precipitação ser maior nestes meses. A persistência do fenômeno climático está descartada para os próximos meses, segundo as previsões do CPTEC/INEMET que prevê precipitações dentro da normal para os próximos três meses em São Paulo.
Para as regiões Norte e Nordeste foi previsto para esta safra uma redução de 1,2% na área ocupada com a cana, ou seja 14.100 hectares a menos que na safra anterior, portanto, pouco significativo. O rendimento médio para a região Nordeste poderá ser afetado devido a forte estiagem que assola praticamente todos os estados produtores, ao contrário do que ocorreu na safra anterior, quando o clima foi bastante chuvoso e favoreceu o desenvolvimento da lavoura de cana. Consequentemente a estimativa da produção poderá sofrer redução.
3- SISTEMA DE PLANTIO
A cana-de-açúcar é cultivada no sistema convencional em solos bem preparados
com revolvimento de 20 a 30 centímetros de profundidade. As mudas (propágulos) devem ser provenientes de canaviais de 12 a 18 meses, livres de pragas e doenças que após recebimento de tratamento preventivo com fungicida e inseticida (prática ideal, embora não adotada pela maioria dos produtores), são colocadas em sulcos em formato de cunha ou trapezoidal, dependendo do tipo de solo, com trinta centímetros de profundidade e cobertas com 5 a 10 centímetros de terra. A densidade usada é de 12 a 18 gemas por metro linear, e a distância entre sulcos é de 1,20 metro, para facilitar a operação de colheita. O consumo de mudas por hectare é de 15 toneladas em média no plantio manual. Quando o plantio é mecanizado o consumo de cana (muda) aumenta consideravelmente, chegando a ultrapassar 20 toneladas. Se a colheita da muda for mecânica, a quantidade necessária supera as 20 toneladas por hectare. Os novos plantios estão sendo adequados à forma de colheita que será usada. Para a colheita mecânica, a adequação passa até pelo plantio em linhas duplas alternadas, com a finalidade de melhorar a eficiência da colhedora e prolongar a vida útil do canavial.
4 – INFLUÊNCIAS CLIMÁTICAS
As condições climáticas que influenciaram e influenciarão a safra 2012/13 estão
divididas em dois períodos. Em 2011 nos meses de agosto e setembro a período foi de precipitações abaixo da média em São Paulo, principal produtor com mais de 60% da área nacional cultivada com cana-de-açúcar o que prejudicou o desenvolvimento e a brotação dos canaviais . Em 2012 o mesmo fato ocorreu nos meses de fevereiro e março, repetindo os efeitos do período anterior e atingindo a mesma região antes castigada. Nos meses de outubro, novembro, dezembro e janeiro as chuvas foram satisfatórias para os canaviais. Para o próximo trimestre (abril, maio e junho) segundo a previsão do CPTEC/INEMET, as chuvas ocorrerão dentro da normalidade na região produtora de cana do estado.
Nos demais estados da região Centro-Sul, o clima foi mais severo no Paraná em
setembro e dezembro de 2011 e em fevereiro e março de 2012. Para o próximo trimestre a previsão é de clima normal para o estado. No Mato Grosso e no Triângulo Mineiro a estiagem ocorreu em setembro de 2011 e nos demais meses as precipitações ficaram próximo da normalidade. Em Goiás não há registro de deficiência hídrica para lavoura de cana-de-açúcar.
No Nordeste o clima foi favorável ao desenvolvimento da cana-de-açúcar no ano
de 2011. Já em 2012 a seca que atinge a região está castigando os canaviais,
principalmente aqueles que foram colhidos no final da safra e não têm umidade suficiente para provocar a brotação da soqueira.
Na região Norte as chuvas estão ocorrendo com freqüência, favorecendo o desenvolvimento como um todo.
5 - ÁREA
A área cultivada com cana-de-açúcar que será colhida e destinada à atividade
sucroalcooleira na safra 2012/13 está estimada em 8.567,2 mil hectares, distribuídos em todos estados produtores conforme suas características. O estado de São Paulo é o maior produtor com 51,66% (4.426,45 mil hectares), seguido por Minas Gerais com 8,97% (768,64 mil hectares), Goiás com 8,54% (732,02 mil hectares), Paraná com 7,17% (614,01 mil hectares), Mato Grosso do Sul com 6,31% (540,97 mil hectares), Alagoas com 5,35% (458,09 mil hectares) e Pernambuco com 3,48% (298,39 mil hectares). Nos demais estados produtores as áreas são menores, com representações abaixo de 3%.
6 - EXPANSÃO
A expansão da área plantada com cana-de-açúcar tem comportamento diferenciado em todo o País. O maior percentual de aumento está na região Sudeste, responsável por 96,38% do total da área nova agregada. A região Sudeste foi a que apresentou o maior aumento, acrescentando 357.183 hectares à área existente. Em São Paulo o aumento foi de 246.011 mil hectares e em Minas Gerais 106.640 hectares. Outra região que apresentou crescimento significativo na área de expansão foi a Centro-Oeste, 188.396 hectares, puxado por Goiás pelo plantio de 115.792 hectares, seguido pelo Mato Grosso do Sul, 65.347 hectares. Na região Sul o Paraná vai plantar 50.066 hectares de novas lavouras. O total da área de expansão em todo País deve ficar em 618.056
hectares. Em muitos estados os produtores tiveram dificuldades no momento do plantio por falta de umidade no solo e tiveram que utilizar a irrigação, o que aumentou o custo da lavoura.
7 - RENOVAÇÃO
A área de renovação prevista para a safra 2012/13 vai ser superior a safra 2011/12.
Os produtores não conseguiram plantar toda área prevista para a safra anterior, o que pretendem fazer nesta safra. Outra parcela se refere às unidades que estão mais capitalizadas que renovarão toda a área que está no ponto de renovação e uma terceira parcela é reflexo dos incentivos do governo através dos financiamentos para a renovação e expansão. A renovação total deve alcançar 956.375 hectares. O maior aumento acontecerá na região Sudeste 576.629 ha, região Centro-Oeste (164.039), região Nordeste 109.755 e região Sul 103.047 hectares.
8- PRODUTIVIDADE
A produtividade média brasileira está estimada em 70,289 kg/ha, 2,9% maior que na safra 2011/12, que foi de 68.289 kg/ha.
O aumento ainda é tímido porque os produtores temem que o clima prejudique
novamente os canaviais pela má distribuição das chuvas. Considerando a quantidade de área expandida e renovada na safra anterior, mais de 16% do total cultivado, em termos lógicos, a produtividade deveria seu um pouco maior, já que o índice de produtividade destas áreas é o dobro das lavouras em ponto de renovação. É possível que a produtividade aumente no decorrer da safra, se o clima ajudar. Outro fator que colabora para a produtividade menor é a ausência de cana bisada para moagem nesta safra.
9 – COMPORTAMENTO DO ATR
O Açúcar Total Recuperável (ATR) é expresso em quilogramas por tonelada de
cana e representa todos os açúcares presentes na matéria prima.
O TPH (tonelada de sacarose por hectare) é influenciado pela variedade de
cultivares, tipo de solo, clima, umidade, entre outros.
Para a indústria sucroalcooleira é importante quantificar a sacarose presente na
matéria prima, sendo este, um dos parâmetros utilizados para a definição do valor pago pela tonelada de cana-de-açúcar.
O ATR pode sofrer constantes variações durante o período de colheita,
influenciado principalmente pelo clima. Aumenta se as chuvas escasseiam e diminui em períodos de chuvas constantes.
Para a safra 2012/13 a previsão para o ATR e de que ele alcance 135,6 quilos por tonelada de cana. Isto significa que, confirmada a produção, serão obtidas 81.580.296 toneladas de ATR que estarão disponíveis para a industrialização.
10 - PRODUÇÃO
A previsão do total de cana moída na safra 2012/13 é de 602,2 milhões de
toneladas, com aumento de 5,4% em relação à safra 2011/12, que foi de 571,4 milhões de toneladas, significando que a quantidade que será moída deve ser 30,7 milhões de toneladas a mais que a moagem da safra anterior. A produção de cana da região Centro-Sul deve ser de 532,0 milhões de toneladas, 6,1% maior que a produção da safra anterior.
10.1 – PRODUÇÃO DE ACÚCAR
A previsão de esmagamento de cana para a produção de açúcar é de 299,9
milhões de toneladas, correspondendo a 49,83% da previsão de moagem de 602,2 milhões de toneladas. Na região Centro-Sul a destinação de cana para a produção de açúcar foi de 49,0%.
A produção total de açúcar está estimada em 38,85 milhões de toneladas, que
equivalem a 777,0 milhões de sacas de 50 kg.
10.2 – PRODUÇÃO DE ETANOL
Para a produção de etanol serão esmagadas 302,2 milhões de toneladas de cana
para a produção de 23,96 bilhões de litros de etanol, 4,81% maior que a produção da safra 2011/12. Deste total, 9,74 bilhões de litros serão de etanol anidro e 14,21 bilhões de litros serão de etanol hidratado. Por estes números, o etanol anidro deverá ter um aumento de 7,44% na produção e o etanol hidratado deve ter um aumento de 3,08%, quando comparados com a produção de etanol da safra anterior.
11 - RESULTADO DETALHADO
Os resultados obtidos nesse levantamento da safra 2012/13, são apresentados
em detalhes no arquivo da galeria a seguir: